Os sites bloqueados são uma realidade infeliz do mundo online – tanto que quase todos se deparam com um bloqueio em um ou outro ponto. Felizmente, há toneladas de ferramentas e métodos práticos para contornar bloqueios e acessar conteúdo restrito.

Se você não consegue acessar o seu site favorito, você não está sozinho. Mais de 76% dos usuários de Internet vivem em países com pelo menos alguma forma de censura online. Além disso, mesmo se você não vive em algum lugar com censura, você provavelmente já encontrou bloqueios no trabalho, na escola e em outros lugares.

Neste guia, vamos mergulhar nas muitas ferramentas e métodos disponíveis para desbloquear sites de qualquer dispositivo. Antes de podermos fazer isso, entretanto, teremos que descobrir primeiro porque (e como) seus sites favoritos são bloqueados. Continue lendo para saber mais e começar a desbloquear.

Por que estou sendo bloqueado de um site?

Embora os bloqueios possam acontecer por qualquer número de razões, geralmente é porque alguém está tentando impedir que você acesse um determinado site ou aplicativo.

Exemplo de um site bloqueado
Exemplo de um site bloqueado

A maioria dos bloqueios se encaixa em uma das três principais categorias: Ser bloqueado pela rede que você está usando (como o WiFi em seu trabalho ou escola) ou ser bloqueado pelo próprio site. Finalmente, seu provedor de internet (ISP) ou governo pode até mesmo bloqueá-lo.

Não importa o bloqueio, geralmente há uma solução. Entretanto, a solução que você usa depende do tipo de bloqueio e do que você está tentando acessar. Continue lendo para saber mais sobre os diferentes tipos de bloqueios e quais ferramentas você pode usar para contorná-los.

O conteúdo é bloqueado pelo seu trabalho ou pela escola

Quase todos tiveram o conteúdo bloqueado pelo seu trabalho ou pela escola. Mas por que esses bloqueios estão no lugar e como eles funcionam?

O raciocínio é bem fácil de adivinhar: Escolas e locais de trabalho têm interesse em manter os alunos e funcionários produtivos. Como resultado, eles colocam bloqueios pesados em certos tipos de sites, tais como redes sociais e jogos online.

Normalmente, a sua escola ou rede de trabalho bloqueia sites por URL. Isso significa que sempre que você digita um endereço em seu navegador – a rede compara esse endereço à sua lista de bloqueios. Se o endereço estiver na lista de bloqueio, ele restringe o acesso e bloqueia você.

Uma forma comum de contornar estes bloqueios é redirecionar sua navegação através de terceiros, como um proxy ou rede privada virtual (VPN).

Sites bloqueados são uma realidade infeliz do mundo online 😅 Felizmente, há toneladas de ferramentas e métodos práticos para contornar bloqueios e acessar conteúdo restrito. ✅Clique para Tweetar

O conteúdo é bloqueado pelo governo

Como mencionamos no início deste artigo, a maioria da população mundial enfrenta um bloqueio imposto pelos governos. Mas por quê?

A resposta exata pode variar, mas tudo isso se resume a uma tendência comum: Os governos têm um interesse em preservar sua reputação entre seus cidadãos. Como resultado, muitos governos restringem o acesso a sites que compartilham informações embaraçosas ou incriminatórias sobre eventos passados.

Um dos exemplos mais famosos de um bloqueio governamental é o “Great Firewall ” da China, que foi rapidamente implementado depois que a Internet chegou ao país pela primeira vez no início dos anos 90. A intenção do firewall é bloquear sites estrangeiros e tráfego transfronteiriço que vão contra a constituição e os objetivos de censura da China.

Por causa do Grande Firewall, a população da China de quase 1,5 bilhões de pessoas não pode acessar sites populares como Google e Facebook. No entanto, isto não os impediu: 29% dos usuários de Internet na China contornam bloqueios com uma VPN.

Naturalmente, a China está longe de ser o único país que restringe o acesso de seus cidadãos à Internet. Não importa o país, entretanto, os bloqueios são geralmente os mesmos, com redes governamentais filtrando o tráfego da web com base em URLs e endereços IP do host.

As VPNs são geralmente a melhor maneira de contornar os bloqueios governamentais. No entanto, alguns usuários podem obter usando proxies e outros métodos.

O conteúdo é bloqueado pelo seu ISP

Embora não seja tão comum quanto os outros tipos de bloqueios que discutimos até agora, muitos usuários enfrentam bloqueios do seu provedor de serviços de Internet (ISP).

Embora as razões para os bloqueios de ISPs possam variar, eles geralmente têm o objetivo de evitar o tráfego da web que poderia violar as leis locais ou os termos de serviço do provedor. Em contraste com os “bloqueios rígidos” de nível governamental, os “bloqueios flexíveis” de ISP são tipicamente mais fáceis de contornar com VPNs, proxies, e outros métodos. A simples troca de servidores DNS pode até mesmo contornar alguns bloqueios de ISP.

Muitos usuários da Internet nem mesmo sabem que estão sendo bloqueados pelo seu provedor. Uma razão comum é que estes bloqueios podem ser um valioso serviço adicional destinado a salvaguardar sua experiência de navegação. Entretanto, alguns ISPs também podem restringir o acesso para salvaguardar seus próprios interesses.

Mas como você sabe se o seu provedor está atrás de um bloqueio? Embora nem sempre seja fácil saber, você geralmente pode concluir que um bloqueio é de um ISP se você não pode acessar um site em uma rede sem restrições. Por exemplo, se você vive em um país sem censura e não está usando uma rede de trabalho ou escola, então qualquer bloqueio que você experimentar provavelmente virá do seu provedor de acesso.

O conteúdo é geo-restringido

Muitos sites bloqueiam o tráfego de países ou regiões inteiras. Também conhecido como “geo-restrição”, este tipo de bloqueio é comum em serviços de streaming como Netflix, YouTube, Prime Video, e muito mais.

YouTube video indisponível devido a geo-restrições
YouTube video indisponível devido a geo-restrições

Por que se preocupar em bloquear o tráfego estrangeiro? Os serviços de streaming, em particular, também devem seguir as leis de distribuição que ditam quais países e regiões podem acessar certos conteúdos. Estas leis são o motivo pelo qual sua experiência na Netflix muitas vezes muda quando você entra em um novo país – mesmo com a mesma conta.

Como você deve ter adivinhado, contornar as geo-restrições requer acesso ao site a partir de um país “aprovado”. Embora isso possa parecer impossível sem viagens, VPNs e proxies oferecem essa capacidade ao redirecionar seu tráfego através de servidores estrangeiros remotos.

Outra razão para outros sites é que muito tráfego estrangeiro pode sobrecarregar os recursos do servidor.

Você está banido

Às vezes os bloqueios vêm de um site em si. Muitos sites populares como Omegle e Twitter podem banir usuários por violarem seus termos de serviço ou promoverem atividades ilegais.

Neste caso, é muito fácil dizer se você está banido. Mas como você pode contornar isso?

A resposta varia dependendo do site e do método do banimento. Serviços baseados em contas como o Twitter simplesmente banirão a própria conta, o que significa que você não será capaz de contorná-la simplesmente usando uma VPN. Ao invés disso, você terá que criar uma nova conta por completo.

No entanto, muitas proibições são baseadas no endereço IP do usuário. Ao invés de banir uma conta, um site pode, ao invés disso, banir todo o tráfego do endereço IP do usuário. VPNs e proxies são ótimas maneiras de contornar estes bans, já que eles podem efetivamente mudar o seu endereço IP, redirecionando o seu tráfego.

Você pode desbloquear um site?

Sim, mas isso depende do bloqueio. VPNs e proxies geralmente podem contornar a maioria das restrições, mas isso nem sempre é garantido.

Como veremos na próxima seção, a capacidade de desbloqueio pode variar muito entre diferentes fornecedores e pacotes de software. Para tornar as coisas ainda mais difíceis, muitos serviços web populares estão constantemente em busca de VPN e IPs de servidores proxy, resultando em uma luta sem fim para manter um vasto pool de endereços funcionais.

Felizmente, mesmo que uma VPN ou proxy não funcione para um determinado serviço, ainda há muitas maneiras de contornar bloqueios. Continue lendo para saber mais sobre VPNs, proxies e algumas alternativas eficazes para desbloquear seus sites favoritos.

As 4 maneiras mais eficientes de desbloquear sites

As VPNs e proxies são as ferramentas mais populares e eficazes para desbloquear sites. No entanto, muitos usuários também alcançam ótimos resultados com navegadores anônimos, como o DuckDuckGo. Embora existam muitos outros métodos para desbloquear sites, estes quatro são os mais amplamente utilizados.

1. Rede Privada Virtual (VPN)

As VPNs são de longe é a ferramenta mais popular para desbloquear sites. No entanto, contornar bloqueios é apenas um subproduto de sua funcionalidade.

Fiel ao seu nome, uma rede privada virtual encaminha seu tráfego através de seu próprio conjunto de servidores seguros, efetivamente estendendo a rede privada da sua casa, escola, ou trabalho para uma rede pública virtual. Em outras palavras, onde seu tráfego normalmente seria enviado diretamente para um website, uma VPN entra como um “intermediário” que pega seus dados e os reenvia.

Ao contrário de um proxy, uma VPN também criptografa o seu tráfego de saída. Como resultado, tanto o seu tráfego quanto a sua identidade permanecem privados e seguros. Como veremos mais tarde, isto é parte da chave para acessar sites bloqueados.

Como funciona uma VPN
Como funciona uma VPN (Fonte: Yellowstone Computing)

O processo pode parecer um pouco complicado, mas na verdade é bastante simples:

  1. Você abre o cliente VPN no seu desktop ou navegador web.
  2. O cliente VPN criptografa seu tráfego de saída. Dependendo do provedor, você também pode ser capaz de especificar quais aplicativos usarão a VPN (esta opção é conhecida como “split tunneling”).
  3. Seu tráfego criptografado é enviado para a rede de servidores seguros da VPN. Como em qualquer conexão, seu tráfego é dividido em “pacotes”, cada um dos quais inclui endereços IP de origem e destino. Aqui, o endereço IP de origem é o da sua casa particular, do trabalho ou da rede escolar.
  4. O servidor VPN remove seu endereço IP de origem de cada pacote e o substitui por seu próprio endereço IP. Ao fazer isso, o receptor vai pensar que seu tráfego veio do servidor VPN, não do seu computador.
  5. Seu tráfego é descriptografado e recebido pelo destinatário, que não estará ciente de sua verdadeira origem.

Certo, então talvez não seja totalmente simples. No entanto, você provavelmente não precisará se preocupar com os detalhes do processo. Uma vez que estiver funcionando, você será capaz de navegar normalmente enquanto a VPN criptografa e redireciona seu tráfego nos bastidores.

Tudo isso está bem, mas como esse processo desbloqueia sites?

A resposta está no seu IP. Como muitos bloqueios e proibições são baseados em IP (sites o usam para deduzir sua localização), substituir seu endereço IP durante o reencaminhamento geralmente é suficiente para escapar das restrições. Entretanto, como a maioria dos principais sites estão constantemente tentando bloquear o acesso a partir de servidores VPN conhecidos, os provedores precisam manter grandes redes de servidores distribuídos a fim de garantir o acesso.

No entanto, os números e capacidades dos servidores variam muito entre os diferentes provedores de VPN. Até mesmo uma rápida busca por uma VPN irá render centenas de opções diferentes, com cada provedor tendo um número e variedade de servidores diferentes.

Como você pode imaginar, o preço também varia com o desempenho, com os principais provedores cobrando US$ 10 ou mais por mês para usar redes com milhares de servidores VPN seguros. Embora existam algumas VPNs gratuitas, elas frequentemente não são robustas – e muitas pessoas recorrem a proxies para desbloqueio gratuito.

2. Proxy

Como uma VPN, um proxy também redireciona o tráfego através de seus próprios servidores – mas com algumas diferenças importantes.

A maior diferença é que os proxies não criptografam dados como as VPNs fazem. Como resultado, seu tráfego é totalmente visível para terceiros, o que pode representar riscos de segurança adicionais se você estiver usando um provedor menos confiável. Os usuários devem ser cuidadosos ao digitar senhas ou enviar outras informações seguras enquanto usam um proxy.

Como funciona um proxy
Como funciona um proxy (Fonte: Medium)

A maioria dos proxies também oferece muito menos servidores do que a média dos provedores de VPN. Embora você ainda seja capaz de desbloquear sites, eles provavelmente não serão tão confiáveis quanto o uso de uma VPN.

Entretanto, estes inconvenientes não significam que os procuradores não tenham o seu lugar. Como eles são gratuitos e amplamente disponíveis, os procuradores oferecem uma maneira rápida de desbloquear sites e preservar o anonimato. Basta ter cuidado ao enviar dados seguros e estar preparado para experimentar muitos servidores diferentes antes que você possa acessar conteúdo restrito.

3. Extensão do navegador VPN/Proxy

Muitas VPNs e proxies também podem vir como extensões do navegador (ao invés de ferramentas de software completas).

Usando a extensão do navegador NordVPN
Usando a extensão do navegador NordVPN

Estes são uma ótima opção para desbloquear sites. VPNs convencionais irão redirecionar toda a sua conexão ao invés do tráfego enviado de aplicativos individuais. Enquanto alguns provedores permitem que os usuários escolham quais aplicativos usam a rede VPN, você pode ter que pagar um valor extra pelo privilégio.

Outro benefício das extensões do navegador é que elas não irão diminuir a velocidade da sua conexão para outros aplicativos. Como as VPNs adicionam um passo extra entre a origem e o destino, uma conexão um pouco mais lenta é sempre esperada. Entretanto, se apenas o navegador web estiver usando a VPN, você manterá uma alta velocidade de conexão para outros aplicativos enquanto você desbloqueia sites do navegador.

A diferença não é tão significativa para os procuradores, no entanto. Como a maioria dos proxies são geralmente gratuitos e frequentemente usados em excesso, há pouca diferença na velocidade da conexão a menos que a extensão do navegador forneça acesso a servidores proxy premium.

4. Tor

Abreviação para “The Onion Router”, Tor é uma rede gratuita e de código aberto dedicada a preservar o anonimato online. Embora seu objetivo principal seja esconder sua identidade, ele também tem o benefício de desbloquear sites, redirecionando seu tráfego através de sua vasta rede de relés.

Lutando com tempo de inatividade e problemas no WordPress? Kinsta é a solução de hospedagem projetada para economizar seu tempo! Confira nossos recursos
A página inicial do navegador Tor
A página inicial do navegador Tor

Embora isso possa soar muito como uma VPN ou proxy, não é bem a mesma coisa. Onde VPNs e proxies usam servidores dedicados, a rede Tor depende de uma grande rede sobreposta, inteiramente executada por voluntários.

Quando você usa Tor, seu tráfego e dados são reencaminhados através de pelo menos três releys voluntários até que não haja mais informações de identificação. A partir de 2022, a rede Tor possui mais de 6.000 retransmissores.

O uso da rede Tor é gratuito e fácil. Você pode acessar a rede baixando o navegador Tor e simplesmente selecionando uma conexão. Enquanto alguns países bloqueiam o próprio Tor, você pode contornar estes bloqueios configurando o Tor para usar sua própria rede durante o download. Após a instalação, você está pronto para ir.

Tor tem alguns inconvenientes, no entanto. A fim de manter sua identidade privada, o navegador Tor frequentemente bloqueia plugins de mídia (como o Flash) que poderiam ser manipulados para revelar informações de identificação. Da mesma forma, ele também desabilita automaticamente os scripts, resultando em uma experiência de navegação um pouco menos rica em recursos.

Outras maneiras de desbloquear sites

Enquanto usam VPNs, proxies e a rede Tor são todas ótimas maneiras de desbloquear sites, elas não são a única opção – e podem até ser desnecessárias em certas situações.

Antes de descartar para uma VPN premium ou substituir seu navegador web favorito pelo Tor, considere algumas dessas alternativas mais simples.

Mude de HTTP para HTTPS

Uma das maneiras mais fáceis de desbloquear certos sites é simplesmente mudar para sua versão HTTPS. Para fazer isso, basta substituir o “http://” na URL por “https://”.

HTTPS em uma barra de endereço
HTTPS em uma barra de endereço

Hoje em dia, não é uma solução de fogo certo, pois HTTPS se tornou o padrão para a maioria dos sites. Mas pode ser uma maneira eficaz de contornar bloqueios no trabalho ou nas redes escolares.

Nestes casos, os administradores normalmente especificam uma URL completa (por exemplo, http://www.blocked-website.com/) ao adicionar um site à sua lista de bloqueios da rede. Os administradores podem esquecer de incluir a variação HTTPS, oferecendo a você uma alternativa de trabalho conveniente.

Use o endereço IP do site

Semelhante ao mudar para HTTPS, você também pode tentar usar o endereço IP do site ao invés da sua URL.

Para encontrar a URL de um site, use qualquer um dos métodos descritos aqui. Simplesmente digite o endereço IP em seu navegador, e você deve ser capaz de acessar o site a menos que seu administrador de rede tenha feito a devida diligência para também bloquear o IP.

Por exemplo, um dos vários endereços IP para a página inicial do Google é 172.217.204.102. Tente inserir este endereço em seu navegador ao invés de google.com – você vai acabar no mesmo lugar.

Encurtadores de URL

Encurtadores de URL como o TinyURL fornecem outra maneira de contornar certos bloqueios.

Estes serviços pegam uma URL existente e retornam uma versão resumida que automaticamente redireciona você para o site original. Ao fazer isso, você só está se conectando à URL abreviada e não à original, que pode ser bloqueada pelo seu administrador. Como resultado, os encurtadores de URL podem às vezes fazer o truque para bloqueios e listas de bloqueios baseados em URL, dependendo de como eles são aplicados.

Altere o seu servidor DNS

Mudar para um servidor DNS (Domain Name System) diferente é uma maneira eficaz de desbloquear sites se você tiver sido banido do IP.

Sem ser muito técnico, o seu servidor DNS é responsável por vincular URLs aos seus endereços IP (por exemplo, google.com para 172.217.204.102). Como redes privadas e ISPs gerenciam bloqueios a partir de seus servidores DNS, mudar para um servidor público é normalmente uma boa alternativa.

Mudando para o DNS público do Google
Mudando para o DNS público do Google

Você pode mudar para um servidor DNS diferente digitando seu endereço IP nas configurações de rede do seu computador. Uma das escolhas mais populares (e fáceis de lembrar) é o servidor DNS público do Google, que tem um IP de 8.8.8.8.

Tradutores online

Enviar uma URL para tradutores online como o Google Translate fornece um link alternativo que pode escapar de muitos filtros de bloqueio. Simplesmente insira a URL no campo de tradução, selecione seu idioma e deixe o tradutor fazer sua mágica.

Caches e arquivos do site

A Wayback Machine do Google Cache e archive.org armazena cópias de cada site que eles rastreiam, que estão disponíveis para o público. Como você não precisa da URL original para acessar um site em cache, é um método eficaz para visualizar sites bloqueados – embora versões mais antigas.

Para acessar uma versão em cache de um site, você pode pesquisar no Google a URL e acessar o cache a partir dos resultados ou pesquisar na Wayback Machine.

Navegador Opera

O navegador Opera inclui uma VPN incorporada gratuita, tornando-o uma maneira rápida e fácil de desbloquear sites sem a compra de uma assinatura cara. Entretanto, tenha cuidado: De acordo com algumas críticas, não é a melhor opção para proteger sua privacidade ou acessar serviços de streaming como o Netflix.

Perguntando-se por que (e como) seus sites favoritos são bloqueados? 🤔 Continue lendo para saber mais (e comece a desbloquear!) ✅Clique para Tweetar

Resumo

Embora existam muitas maneiras de desbloquear sites, as VPNs continuam sendo a solução mais popular e eficaz. Com os principais provedores oferecendo milhares de servidores espalhados por redes globais, uma VPN é uma ótima maneira de acessar conteúdo restrito e até mesmo proteger sua privacidade.

Entretanto, Tor e as outras ferramentas e métodos que cobrimos também podem fazer um ótimo trabalho em muitas situações. Não importa o que você use, lembre-se que a chave para desbloquear sites é mudar seu endereço IP ou tentar uma URL alternativa.

Procurando por mais dicas úteis? Visite o blog da Kinsta para obter as últimas dicas sobre navegação segura, hospedagem gerenciada de WordPress, hospedagem de aplicativos, hospedagem de banco de dados, e muito mais.


Economize tempo, custos e otimize o desempenho do seu site com:

  • Ajuda instantânea de especialistas em hospedagem do WordPress, 24/7.
  • Integração do Cloudflare Enterprise.
  • Alcance global com 35 centros de dados em todo o mundo.
  • Otimização com nosso monitoramento integrado de desempenho de aplicativos.

Tudo isso e muito mais em um plano sem contratos de longo prazo, migrações assistidas e uma garantia de 30 dias de devolução do dinheiro. Confira nossos planos ou entre em contato com as vendas com as vendas para encontrar o plano certo para você.