Há uma função embutida de redirecionamento no WordPress desenhada para capturar URLs erradas. Quando uma URL incorreta é solicitada, o WordPress tenta localizar a URL correta e redirecionar o visitante para ela, se for capaz de encontrá-la. Por um lado, isso é ótimo, mas vamos olhar mais profundamente para alguns problemas que o envolvem.

Por exemplo, um visitante pode incluir ou não o subdomínio www da URL de seu site e o WordPress o redirecionará para a URL correta. O mesmo ocorre quando o caminho completo que deveria aparecer antes da slug da página não é inserido. Portanto, se você tem uma página que reside em http://www.exemplo.com/parent/pagina, tente digitar http://exemplo.com/pagina e veja o que acontece. Na maioria dos casos, o WordPress é inteligente o suficiente para localizar a página correta e redirecionar você até ela.

A situação fica mais complexa se você configura seu website para funcionar usando HTTPS. Se você tem um desses, deve preferir que todo o tráfego seja forçado a ser redirecionado da URL prefixada de HTTP para HTPPS. Isso pode tornar o processo de redirecionamento uma verdadeira bagunça. Imagine essa confusão com um redirecionamento:

  • Um visitante tenta acessar a página https://www.exemplo.com/parent/pagina, digitando http://exemplo.com/pagina na barra de endereço.
  • Primeiro, o visitante é redirecionado de HTPP para HTTPS.
  • Segundo, o visitante é redirecionado quando www é adicionado à URL.
  • Terceiro, o visitante é redirecionado para a formulação da URL que inclui a página mãe (parent) no caminho.
  • Por fim, o servidor começa a enviar arquivos e recursos do website para o navegador do visitante.

Você pode estar pensando: “Isso é ótimo! Eu posso abocanhar um link e o visitante ainda vai acabar onde eles deveriam acabar. “De certa forma, você estaria certo em pensar isso. O WordPress é realmente bom em descobrir onde URLs devem ser resolvidos, e isso significa que URLs incorretamente digitados normalmente serão resolvidos corretamente. No entanto, todo esse redirecionamento automático também tem um lado negativo.

Click to Tweet

O Atraso do Redirecionamento no WordPress

Uma vez que você percebe o quão resiliente o WordPress é, torna-se fácil ser induzido a ficar indiferente em relação a uma formulação de URL. Isso é particularmente perigoso se você digitou manualmente as URLs em links inline e menus personalizados. Não é grande coisa, certo? Os visitantes terminarão na URL correta!

Bem, sim, isso até é verdade. No entanto, o que você está ignorando é o impacto que os redirecionamentos têm sobre a velocidade de carregamento das páginas. Aqui está o resultado da velocidade de página de um website WordPress no Pingdom. Esse teste é baseado no acesso a uma página usando uma URL formulada de maneira adequada para evitar quaisquer redirecionamentos.

Resultado de teste no Pingdom com URL formulada adequadamente

Resultado de teste no Pingdom com URL formulada adequadamente

Isso é quase impecável. Se olharmos para as solicitações de arquivos, veremos que nenhum redirecionamento está acontecendo quando o site é solicitado.

Solicitação de arquivos do Pingdom

Solicitação de arquivos do Pingdom

Então, o que acontece se bagunçamos aquela URL e rodamos o teste novamente?

Resultado de teste no Pingdom com a URL malformada

Resultado de teste no Pingdom com a URL malformada

Uau. Isso adicionou mais de meio segundo ao tempo de carregamento da página – um aumento de cerca de 58%. Vejamos as solicitações de arquivos para entender o que aconteceu.

Solicitação de arquivos com URL incorreta no Pingdom

Solicitação de arquivos com URL incorreta no Pingdom

Agora, dois redirecionamentos foram adicionados em frente à URL. Seguindo-os, a página carrega normalmente. Portanto, podemos atribuir a velocidade de página mais lenta aos redirecionamentos que acontecem quando a URL incorreta é fornecida ao teste. A conclusão é que os redirecionamentos prejudicam a velocidade de carregamento das páginas. A diferença é significativa e mensurável.

Redirecionar ou Não Redirecionar?

Os redirecionamentos existem por um motivo, um bom motivo: eles permitem que você envie visitantes de conteúdo ultrapassado e de URLs inexistentes para um conteúdo atualizado. Já cobrimos o ângulo das URLs inexistentes até certo grau. O WordPress faz parte disso por conta própria. Entretanto, o WordPress não é capaz de capturar tudo e existem momentos em que regras de redirecionamento manuais são necessárias.

Por exemplo, digamos que você escreveu um artigo intitulado O Que Há de Novo no WordPress quando o WordPress 3.0 foi lançado. Foi uma ótima publicação em 2010, mas os usuários do Google que pesquisam por “o que há de novo no WordPress” atualmente não estão procurando por isso. E você quer manter estes leitores felizes. Assim, escreve um novo post sobre recursos que serão incluídos na próxima versão planejada do WordPress.

Neste cenário, um redirecionamento do post antigo para o novo é perfeitamente aceitável e apropriado. Além disso, para essa situação, um redirecionamento é uma boa prática SEO, uma vez que o link juice atribuído ao post antigo seria repassado à sua nova publicação, dando a ela um selo imediato para mecanismos de pesquisa.

Existem diversos cenários onde os redirecionamentos são apropriados:

  • Assim como no exemplo, você publicou um conteúdo atualizado e deseja redirecionar o conteúdo ultrapassado para a versão atualizada.
  • Você alterou a estrutura de links permanentes do website e precisa redirecionar as URLs antigas para suas novas estruturas.
  • Você está atualizando uma página ou um post já publicado e deseja redirecionar o tráfego temporariamente para uma página ou post diferente enquanto trabalha na atualização.
  • Conforme explicado no começo deste artigo, o WordPress faz sua mágica e redireciona os usuários quando as URLs estão próximas, mas não são as corretas.

Quando Não Redirecionar

Em todos os cenários acima, redirecionamentos são necessários para enviar os visitantes de conteúdo desatualizado e URLs quebradas para conteúdo atualizado, ou ainda funcionam como uma medida temporária enquanto uma porção específica do conteúdo é atualizada.

Você pode argumentar que um redirecionamento do WordPress não seja estritamente necessário na primeira situação da lista acima. Entretanto, a fonte primária do tráfego para aquele conteúdo ultrapassado é, provavelmente, composta por usuários de mecanismos de pesquisa que estão usando termos como “novos recursos do WordPress”. E, claramente, o artigo antigo não se adequa a esses termos, mas o novo conteúdo sim, o que significa que um redirecionamento é necessário para os visitantes acabarem localizando o conteúdo que estão procurando.

Então, quando não é apropriado usar um redirecionamento no WordPress? Se você estiver usando um redirecionamento quando ele não é necessário, deve repensar sua estratégia.

Por exemplo, se você criou um menu personalizado usando URLs que não incluem www, mas a URL do seu site é resolvida com o subdomínio www à sua frente, você está cometendo um erro que precisa ser consertado. Usar redirecionamentos nesse cenário não é apropriado e prejudica a velocidade do seu site.

Como Minimizar os Redirecionamentos no WordPress

Se você está convencido a minimizar os redirecionamentos no WordPress – e como não estaria? – existem duas coisas que precisa fazer para reduzir a ocorrência deles.

  • Certifique-se de que seu domínio de nível superior seja resolvido com, no máximo, um redirecionamento.
  • Nunca crie redirecionamentos desnecessários intencionalmente.

Resolva Seu Domínio de Nível Superior com, no Máximo, um Redirecionamento

Sua meta é se certificar que sua URL seja alcançada com, no máximo, um redirecionamento, sem importar qual combinação de prefixo de protocolo e subdomínio um visitante coloca na frente do domínio de nível superior. Abaixo está um exemplo do que eu quero dizer. Todas essas URLs devem resolver no domínio de nível superior usando não mais que um redirecionamento, enquanto uma delas deve resolver sem qualquer necessidade de redirecionamento.

  • http://example.com
  • http://www.example.com
  • https://example.com
  • https://www.example.com

Se você não está certo sobre quantos redirecionamentos são necessários para resolver a URL do seu site usando essas combinações diferentes de prefixos de protocolo e subdomínios, pode usar o mapeador de redirecionamentos de Patrick Sexton.

Ferramenta de mapeamento de redirecionamentos

Ferramenta de mapeamento de redirecionamentos

Abaixo, está um exemplo de redirecionamentos que não estão configurados corretamente e que são facilmente identificados usando o mapeamento de redirecionamento. Você pode observar que há redirecionamentos duplicados acontecendo tanto na versão www quanto na versão sem www.

Redirecionamentos configurados incorretamente

Redirecionamentos configurados incorretamente

Aqui está um exemplo de redirecionamentos configurados corretamente. Como você pode ver, só há um redirecionamento acontecendo.

Redirecionamentos configurados corretamente

Redirecionamentos configurados corretamente

Se você encontrar alguma dessas combinações falhando para resolver (retornando um código de status 404 do servidor) ou exige mais de um redirecionamento, então há trabalho a ser feito.

O que você precisará fazer é adicionar uma ou mais regras de redirecionamento no servidor, para garantir que os visitantes cheguem à formulação adequada da URL do seu site o mais rápido possível. Se seu site estiver hospedado em uma pilha LAMP padrão, você precisará adicionar regras de reescrita de URL ao arquivo .htaccess do seu site.

Entretanto, se você está usando uma configuração mais avançada de hospedagem, há uma grande chance de que ela seja movida por Nginx ao invés de Apache. Neste caso, as coisas não são tão simples, pois a configuração de redirecionamento irá variar de um host para outro e o melhor a fazer é entrar em contato com a equipe de suporte de sua hospedagem para corrigir o problema dos redirecionamentos.

Se o seu site é hospedado pela Kinsta, ele está rodando em um servidor Nginx, and configurar redirecionamentos com a Kinsta é muito fácil. Você pode use our regras de redirecionamento ferramenta no MyKinsta para criar redirecionamentos 301 e 302. Mas, obviamente, também pode entrar em contato com nosso suporte se tiver qualquer pergunta ou precisar de ajuda.

Adicionar regra de redirecionamento no MyKinsta

Adicionar regra de redirecionamento no MyKinsta

O objetivo básico que você está tentando alcançar é criar regras de redirecionamento que visem quaisquer formulações de URL que exigem mais de um redirecionamento, para forçar que tais URLs resolvam diretamente para suas versões formuladas adequadamente. Por exemplo, se a URL http://exemplo.com requer dois redirecionamentos para chegar a https://www.exemplo.com, crie um redirecionamento manual que faça isso acontecer em apenas uma etapa, ao invés de duas.

Usar plugins gratuitos do WordPress para implementar redirecionamentos pode, por vezes, causar problemas de desempenho, pois a maioria deles utiliza a função wp_redirect, que exige execuções de código e recursos adicionais. Adicioná-las diretamente no MyKinsta significa que as regras são implementadas no nível do servidor, que é uma forma mais otimizada.

Adicionar regras de redirecionamento

Adicionar regras de redirecionamento

Use a Estrutura Apropriada de URL ao Criar URLs

Não crie, intencionalmente, redirecionamentos ao construir links internos e menus. Se você tem o hábito de criar URLs sem muito cuidado, livre-se desse hábito. Ao criar uma URL, certifique-se de:

  • Usar o prefixo de protocolo adequado (HTTP ou HTTPS)
  • Incluir ou excluir o subdomínio com www, conforme apropriado
  • Não utilizar IDs de posts e páginas nos links
  • Incluir o caminho completo para a página ou post

A capacidade de redirecionamento embutida no WordPress deve funcionar como uma alternativa caso você crie, acidentalmente, uma URL ruim. Utilize-a como uma solução emergencial, não como um recurso intencional para corrigir URLs criadas de forma ruim.

Criar um Redirecionamento no WordPress com um Plugin

Conforme já mencionamos, existem situações adequadas para a criação de um redirecionamento no WordPress. E se sua hospedagem não possui o recurso de regras de redirecionamento, você deve usar um plugin WordPress. Existem muitos plugins de redirecionamento disponíveis de graça no diretório de plugins do WordPress.

Plugin WordPress Redirection

Plugin WordPress Redirection

  • Redirection é, de longe, o plugin de redirecionamento mais popular. Ele é muito fácil de usar e pode ser configurado para criar redirecionamentos através do núcleo do WordPress, .htaccess em um servidor Apache ou redirecionamentos em servidores Nginx.
  • Simple 301 Redirects, outra opção popular, é desenhado para tornar o processo de redirecionamentos o mais simples possível. É fácil de usar, não oferece opções de configuração e inclui somente as informações suficientes para facilitar a adição manual de redirecionamentos 301.
  • Redirect foi desenvolvido pela equipe incrível da 10up. Ele permite que você redirecione locais para novas URLs com códigos de status HTTP de sua escolha. O plugin usa a função wp_safe_redirect, que possibilita que somente redirecionamentos para hosts permitidos sejam realizados, por questões de segurança.
  • Quick Page/Post Redirect Plugin é outro plugin popular, escolhido por usuários que preferem uma lista de extensa de opções de configuração. Com mais de 60 mil instalações ativas, certamente ele já foi bastante testado. É fácil de usar, possui uma interface bem desenhada e pode ser utilizado para criar redirecionamentos 301 e 302 manualmente. Um recurso especialmente legal é o menu suspenso para selecionar páginas, posts, páginas de mídia e arquivos como alvos do redirecionamento, garantindo que regras criadas manualmente sejam resolvidas sem qualquer redirecionamento. Você também pode reter as strings de consulta nos redirecionamentos.

Pratique Redirecionamentos com Responsabilidade

De forma clara e simples, os redirecionamentos no WordPress diminuem a velocidade do seu site. É por isso que vale a pena reservar um tempo para minimizar o número de redirecionamentos de visitantes, levando em conta a experiência dos usuários no site. Há situações em que é apropriado criar e utilizar redirecionamentos intencionalmente, mas limite seu uso a apenas instâncias necessárias e garanta que seus visitantes tenham a experiência mais rápida possível ao navegar por seu website WordPress.

Qual a sua opinião? Você já enfrentou problemas de desempenho por causa do excesso de redirecionamentos?

16
Shares